topo o instituto

12 Setembro 2016

SEMINÁRIO PARA O CHS

Seminário vai discutir soluções para o Centro Histórico de Salvador.

SEMINÁRIO PARA O CHS

Um dos participantes do evento, o arquiteto Washington Fajardo, do Rio, antecipa assuntos de sua palestra
O Centro Histórico de Salvador convive com problemas relacionados a transporte público, arquitetura, segurança e habitação, entre outros. O seminário Centros Históricos: o Desafio da Governança, que acontece quinta-feira, às 9h, na Faculdade de Medicina da Ufba (Terreiro de Jesus), vai trazer a Salvador líderes que vão discutir soluções para essas e outras questões, com base em experiências em cidades como Rio de Janeiro e Lisboa.
O evento, realizado pelo Instituto ACM, tem entrada gratuita e não há necessidade de inscrição prévia. Quarta-feira, às 20h, será aberta a exposição Centros Históricos ao Redor do Mundo, no mesmo local.
Um dos participantes do seminário é o arquiteto Washington Fajardo, presidente do Instituto Rio Patrimônio da Humanidade. Fajardo apresentará a palestra A Melhor Cidade, em que vai comentar como o Rio tem estimulado a revitalização do Centro Histórico.
O arquiteto está à frente de iniciativas importantes, como a criação de aplicativos para celulares, que unem tecnologia a conhecimento. Ele é também autor de um mecanismo que dedica 3% do valor das Cepacs (títulos usados para financiar Operações Urbanas Consorciadas que recuperam áreas degradadas nas cidades) para a recuperação do patrimônio cultural da Zona Portuária do Rio. Em conversa com o CORREIO, Fajardo fala sobre o estímulo à habitação no centro da cidade, transporte público e segurança nessa área.
Para muitos, o Centro Histórico de Salvador é apenas uma atração turística, que parece 'isolado' das demais áreas da cidade. O Rio de Janeiro vive ou já viveu esse problema?
Essa sensação é consequência do modelo de urbanismo que o Brasil adota desde antes da construção de Brasília. Nesse modelo, a cidade boa é aquela que ainda vamos fazer. Há também uma ideia de que o centro histórico é uma área inerte, é como se fosse um museu aberto, para visitar e depois voltar para casa. No Rio, o centro é uma área de trabalho. Há, então, uma relação 'funcional' com o centro de toda região metropolitana, porque as pessoas se deslocam para lá para trabalhar e no fim do dia vão embora. Mudar essa relação é um desafio para todos os centros históricos brasileiros, porque todos eles são esvaziados. Mas precisamos usá-los como um lugar do nosso cotidiano, inclusive no fim de semana.
Nota-se que em muitos centros históricos de cidades brasileiras não há moradores. Como isso pode ser solucionado?
O Centro do Rio era habitado e perdeu população especialmente a partir do fim da Segunda Guerra Mundial, entre os anos 1940 e 1950, quando se consolida a expansão da cidade. No caso do Rio, tendo sido capital do país, o Centro Histórico precisava representar o papel de ser símbolo da cultura e da civilização brasileira. Só a partir dos anos 1980, período que coincide com a redemocratização, houve uma preocupação com a preservação. Mas a legislação dos anos 1960 impedia o licenciamento residencial ali e isso só cai nos anos 1990. Para resolver esse problema da falta de habitação nos centros, é necessária uma interação entre governo federal e estadual. Programas como o Minha Casa Minha Vida promovem facilidade à produção habitacional, mas rouba vontade política de cuidar do Centro Histórico. As pequenas e médias empreiteiras, voltadas para o Minha Casa Minha Vida, não têm estímulos naquelas áreas.
O que são o Studio X e o Centro Carioca de Design, criados no Centro do Rio?
Um prédio histórico na Praça Tiradentes foi recuperado e hoje abriga duas instituições dedicadas ao design: o Centro Carioca de Design (núcleo de discussão do design carioca) e o Studio X (ligado à arquitetura e dedicado a pensar o futuro das cidades). Essas iniciativas foram muito acertadas e estimularam o surgimento de novos espaços. Ali, fala-se muito sobre mobilidade, vida digital e uso de bicicletas.
Quais são as ações tomadas para colocar em prática o projeto Porto Maravilha, que pretende revitalizar a zona portuária do Rio de Janeiro?
Porto Maravilha é uma operação urbana consorciada para requalificar terra urbana, vinculada à atividade portuária, numa zona que estava em degradação havia muitos anos. É uma área que hoje tem 28 mil habitantes e daqui a 15, 20 anos deve chegar a cem mil pessoas. O Centro tem a menor densidade demográfica do Rio e a atividade portuária na cidade vinha decaindo, porque aquela área historicamente não oferece condições para um porto competitivo. Finalmente, estão sendo aprovados os licenciamentos para a construção de empreendimentos residenciais. Essas construções devem ser destinadas à classe média, com preços comparáveis aos de bairros como Tijuca, Glória e São Cristóvão. O metro quadrado deve ficar em torno de R$ 6 mil a R$ 12 mil.
Como tem sido o planejamento de transporte urbano nessa área? E o acesso por automóvel também é estimulado?
O Porto Maravilha oferece um novo padrão de mobilidade. São 28 quilômetros de VLT (Veículo Leve sobre Trilhos), que já circula entre o território central e é ligado a outros importantes hubs (pontos centrais) de transporte: Central do Brasil, Estação das Barcas, Rodoviária e Aeroporto. A nova orla da cidade tem 300 mil metros quadrados para pedestres e isso foi possível porque a (avenida) Perimetral foi demolida. Tem sido mais fácil circular e andar de bicicleta ali. A tendência é reduzir drasticamente o acesso de veículos privados e estimular a ida das pessoas. Por isso, os restaurantes, por exemplo, já abrem aos sábados e domingos.
Os centros históricos costumam ser associados só ao turismo. Que outras atividades podem estimular a economia nessas áreas?
Não há dúvida de que é necessário estimular o turismo, mas isso deve ser feito por meio de um modelo sustentável, que não seja a exploração do território. É preciso estimular atividades ligadas à gastronomia, à moda e ao design, por exemplo. O Peru é um país que se tornou uma referência por causa da gastronomia. A cultura e a educação podem ser bem exploradas nos centros históricos também. Essa área deve atrair centros de pesquisas, arquivos, bibliotecas e universidades. É preciso trabalhar a riqueza da cultura e do conhecimento. A Bahia tem uma indústria musical muito desenvolvida e pode usar isso a favor do Centro Histórico de Salvador.
Um dos problemas nos centros das cidades é a segurança. O que o Rio fez para diminuir esse problema?
O Centro Presente é um programa que a Prefeitura mantém com a Fecomércio (Federação do Comércio do Estado do Rio de Janeiro) e é voltado para a segurança. As duas instituições, Prefeitura e Fecomércio, colocam dinheiro e, com isso, há um corpo policial dedicado ao Centro. São policiais militares que, durante o período de folga, dentro do limite da lei, fazem um trabalho de apoio. Há também alguns jovem que já cumpriram o serviço militar e passam a integrar o Centro Presente.
BLOG NOVO BLOG DO DIMITRI

Deixe um comentário

Você está comentando como visitante.

pelourinho
horario up
telefone
mapa